Desde sua ascensão ao poder em 2018, o presidente Jair Bolsonaro tem sido um assunto recorrente entre os brasileiros. Sua gestão, que inclui pontos polêmicos como medidas econômicas restritivas, mudanças nas leis trabalhistas e ambientais e a controvérsia sobre como lidar com a pandemia da COVID-19, tem dividido a população e criado grupos políticos com opiniões muitas vezes muito diferentes.

Uma pesquisa recente mostrou que Bolsonaro é o candidato mais popular entre os eleitores escolarizados. Mas por que isso acontece? De que maneira a escolarização influencia na escolha de um candidato? Neste artigo, exploramos esses tópicos importantes para entender o cenário político atual no Brasil.

Por que Bolsonaro é o favorito entre os eleitores escolarizados?

A escolarização pode ser um fator decisivo nas escolhas dos eleitores. Isso porque a educação não só nos fornece conhecimento e habilidades, mas também nos apresenta diferentes perspectivas sobre a sociedade e seus problemas. Além disso, a natureza da escolarização contribui para o desenvolvimento de pensamento crítico e análise racional dos fatos.

Isso pode explicar por que muitos eleitores escolarizados estão apoiando Bolsonaro. Os pesquisadores têm sugerido que muitos eleitores brasileiros nessa categoria possivelmente foram persuadidos pelo discurso anti-político do presidente e sua defesa por políticas básicas, como a diminuição da corrupção, a segurança pública e a melhoria da economia. Algumas das medidas adotadas por Bolsonaro, como a Reforma da Previdência e a Reforma Trabalhista, podem ter ressoado naqueles que estão atentos a tais questões econômicas e trabalhistas.

O presidente Bolsonaro também se mostrou hábil em se comunicar com seu eleitorado, usando canais de mídia social para anunciar seus projetos e ampliar seus apoiadores. Especialmente entre os eleitores mais jovens, Bolsonaro é proficiente em criar uma imagem positiva, mesmo que ressalvas de seus desacertos tenham sido argumentadas entre os brasileiros.

As consequências da preferência dos eleitores escolarizados por Bolsonaro

A preferência dos eleitores escolarizados por Bolsonaro pode ter implicações significativas para o país. Em primeiro lugar, ela influencia onde os recursos públicos são destinados. Como política pública, a educação pode ser negligenciada ou subfinanciada em nome de outras prioridades do governo. Isso pode significar menos oportunidades para que mais pessoas sejam escolarizadas no futuro, mantendo um ciclo de desigualdade.

Além disso, a preferência por um candidato específico muitas vezes leva a uma polarização da comunidade. Isto é particularmente problemático quando a polarização é acompanhada por ideologias extremas e a violência política. Como muitos eleitores são apaixonadamente a favor ou contra Bolsonaro, o risco de conflitos é elevado.

Embora Bolsonaro tenha mostrado habilidade em se comunicar e criar uma imagem favorável com o eleitorado, nem todos os eleitores são apaixonados por ele. É tedioso que um líder político homogeneize a opinião em torno a sua visão, sem marginalizar outros pensamentos. Com as próximas eleições se aproximando em 2022, o Brasil precisa resistir a uma polarização ainda maior, buscar como alcançar as grandes demandas sociais e criar oportunidades educacionais para todos.

Conclusão

É difícil prever o futuro e o comportamento eleitoral dos brasileiros. Bolsonaro pode eventualmente perder o apoio dos eleitores escolarizados, especialmente se o país continuar enfrentando problemas econômicos e consequências da pandemia. No entanto, é importante notar que o apoio de um grupo não deve ser interpretado como um consenso geral. É necessário estimular debates equilibrados e que visem a melhoria do país em longo prazo, optando pela educação como uma prioridade onde todos terão suas oportunidades garantidas.